Synyster Gates fala sobre seus equipamentos e Hail to the King

O site Musicians Friends realizou uma entrevista com o guitarrista Synyster Gates sobre os seus equipamentos e sua ligação com a Shecter, além do desenvolvimento do álbum “Hail to the King”. Você pode conferir parte da entrevista traduzida logo abaixo:

(Foto por Rockpix)

Como você acabou trabalhando com a Schecter?
Nosso produtor, no momento em que estávamos trabalhando no Waking The Fallen, em 2003, foi Andrew Mudrock, e ele foi patrocinado pela Schecter. Eu costumava usar guitarras Schecter principalmente no estúdio para todos os solos. Eles tinham grandes guitarras que soavam muito bem, então nós tentamos assinar com eles. Eles não tinham ouvido falar de nós até o momento, de modo que eles ficaram tipo “nós realmente não sabemos, vamos dar uma olhada”. Quando o disco saiu, houve uma quantidade razoável de sucesso no underground e eles eram a única empresa disposta a dar uma chance para uma banda de metal pequena. Eles nos deram um monte de guitarras e apenas anos mais tarde perguntaram se eu queria fazer uma assinatura com eles. Foi uma honra. Comecei a fazer isso e trabalhar com esses caras desde então.

O que foi, especificamente, que o atraiu para Schecter?
Praticamente a sensação. Eu sou definitivamente um cara que gosta de bons tons, mas eu só gosto de coisas que soam bem. Eu acho que se você tem um estilo, você acaba soando como a si mesmo, não importa como, bom ou mau. Eu só gosto do conforto em saber que eu vou pegar o instrumento e vai soar surpreendente.

Você tem planos para mais formas do corpo ou estilos completamente diferentes ao todo?
Eu realmente não tinha pensado nisso. Definitivamente eu me sinto completo com o modelo que eu tenho agora. Se eu precisasse de algo um pouco diferente, que exigia um estilo diferente do corpo ou o que seja, eu provavelmente faria isso. Mas não apenas para vender.

O novo álbum, Hail to the King, é uma espécie de versão mais leve de anos atrás, mas ainda com guitarras pesadas. Qual foi a parte mais difícil das guitarra para você escrever e/ou registrar e por quê?
Oh, meu Deus. Provavelmente Planets, anti-penúltima música, porque é muito dissonante. Nós realmente queríamos colocar essa qualidade cinematográfica nela, mas manter as melodias cativantes também, então quando você a desmonta, você percebe: “ei, há uma modulação muito louca, mudanças de acordes e loucuras acontecendo”. É um tipo diferente de arranjo, mas ainda soa muito aceitável e mostra o que estávamos tentando comunicar.

Qual foi seu solo mais difícil de fazer nesse álbum?
Eles são todos difíceis, seja para escrever ou tocar. Eles levam praticamente a mesma quantidade de tempo. Não há nada que estendeu mais do que o outro. Definitivamente Planets e Acid Rain são os meus dois solos favoritos.

DEIXE UMA RESPOSTA