Synyster Gates para a Rolling Stone Itália: “Mike Portnoy ampliou nossos horizontes musicais”

(Foto: Divulgação)

A revista Rolling Stone Itália falou por telefone com Synyster Gates e abordou temas como o novo álbum, sobre como é se manter na cena musical atualmente depois de 14 anos de carreira, sua opinião sobre o Avenged Sevenfold ser considerado herdeiro do Metallica, Mike Portnoy e muito mais. Confira a entrevista na íntegra.

Rolling Stone: Você está na estrada pelo menos 14 anos , como é estabelecer-se como uma banda no cenário musical hoje?
Synyster Gates: Eu não tenho certeza se estamos na estrada há tanto tempo…

RS: Sim, você fundou a banda em 1999!
SG: Ah , ok , obrigado… A propósito: em alguns aspectos é mais difícil para alguns e mais fácil para outros. Então, no nosso caso, é bastante singular. Nós crescemos juntos, nos conhecemos desde que tínhamos 10 anos, somos como irmãos. Minha esposa e a esposa de Shadows são como irmãs, tivemos sorte . Sobre como ser bem sucedido hoje, bem, as redes sociais nos dão uma ajuda incrível. Eles nos colocaram em contato com outros músicos, com o produtor para organizar datas. Manter a base é definitivamente mais fácil.

RS: Fale de você como uma banda que vai tomar o lugar do Metallica nos corações dos fãs de metal. Como você se sente por ter sido considerado o “grandes da próxima geração” depois de quase três décadas de sua carreira?
SG: Isso é algo que nós falamos há muito tempo. Certamente, para nós, é uma honra ser considerado como a banda que pode um dia receber o ‘bastão’ do Metallica. Agora eles ainda estão por aí e eles fazem grandes coisas. Nós nos preocupamos em tentar obter sucesso fazendo as coisas à nossa maneira, tocando a nossa música para os nossos fãs. E se há uma coisa que tenho certeza é que eles são os melhores do mundo, eles são incríveis.

RS: Minha parte favorita do álbum [Hail to the King], por causa de seu preenchimento e o groove, é Planets. Se encaixa mais ou menos no metal, mas ainda é legal…
SG: Obrigado. Bem, é certamente a parte mais progressiva do álbum, apesar de todas as faixas serem escritas em função do groove. Mas, na minha opinião, o DNA do Avenged Sevenfold tem uma importante veia progressiva, e aqui estamos nós. Queria deixar de lado, deixando em aberto todas as influências clássicas do nosso campo. A imagem que eu tinha em mente era a de um conflito intergaláctico cheio de meteoritos e cenários apocalípticos e só queria uma ideia que se assemelhasse a um filme. Foi divertido escrever, é definitivamente a minha canção favorita no disco e depois ainda se funde com a Acid Rain, a última canção do álbum, falando sobre como você se sente depois de perder essa guerra intergaláctica quando você está lá com a sua alma gêmea e sabe que está prestes a ser varrido da face da terra.

RS: Mas esta descoberta gradual vem de onde? É culpa de Mike Portnoy [baterista do Dream Theater]?
SG: Não, ele estava conosco há cerca de um ano, logo após o lançamento de Nightmare. Ele nos deu uma grande mão para voltar à estrada depois da morte de The Rev. Mike ampliou nossos horizontes musicais nos mostrando um monte de séries de televisão, um verdadeiro mestre.

RS: Hail to the King não tem solos loucos como Bat Country, mas soa muito coeso, muito homogêneo. É uma coisa desejada?
SG: Absolutamente. Quando gravamos um novo álbum e terminamos pelo menos quatro materiais escritos, em seguida escolhemos as músicas que funcionavam melhor na economia global difícil. Ouvir um LP é sempre uma longa jornada e não queremos que seja uma experiência estagnada – coincidindo com o single, atrás de um lampejo de entusiasmo e energia. Neste caso, temos um álbum muito progressivo com muitas pequenas partes de groove em cada canção.

RS: Você foi da Hopeless Records, uma das gravadoras mais importantes da cena punk norte-americana. Qual é a jogada?
SG: Bem, eles sempre foram muito bons para nós enquanto estávamos com eles, mas depois as coisas pararam de funcionar. Por isso em 2004 nos mudamos para a Warner que, ao contrário dos outros grandes, garantiam 100% a liberdade artística. O impossível nos deu menos controle, Warner permitiu-nos cultivar o crescimento artístico da banda. Estamos com eles há anos, é o selo perfeito para nós.

RS: Eu queria parar de falar sobre “drogas recreativas”. O seu ex- baixista, Justin Sane, tentou o suicídio com uma garrafa inteira de xarope para tosse com codeína, o baterista morreu de um coquetel mortal de álcool e opiáceos. Enquanto a cena do metal praticamente deixou de exaltar as drogas, o hip- hop é cheio de rappers como Lil Wayne ostentando o consumo de sizzurp, um coquetel de xarope para tosse. O que você acha disso?
SG: Hip hop glorifica apenas os instintos mais básicos: sexo, drogas e violência.  O que eu acha? Eu não tenho opinião particular sobre hip hop, mas se eu tivesse um filho – eu provavelmente terei um – e se ele quisesse ouvir essas coisas, eu diria que sim. Mas apenas por diversão, diria para não levar a sério, porque a realidade não é assim.

DEIXE UMA RESPOSTA